quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Cirurgia ovariana preventiva deve ser realizada precocemente para maior benefício e para redução do risco de mortalidade



Data: 24 de fevereiro de 2014
Fonte: Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO)

Os resultados de um grande estudo prospectivo internacional  publicado no Journal of Clinical Oncology sugere pela primeira vez que as mulheres com mutações BRCA1 devem realizar cirurgia ovariana preventiva (ooforectomia profilática) até os 35 anos, pois esperar até uma idade mais avançada parece aumentar o risco de cancro do ovário, antes ou no momento da cirurgia preventiva. Mulheres com  mutações no gene BRCA2, no entanto, não parecem ter um risco aumentado até os 35 anos de idade, sugerindo que podem retardar este processo até mais tarde. Além disso, as mulheres com mutações BRCA1 e BRCA2 que realizaram esta cirurgia tiveram uma redução de 77 por cento no risco geral de morte.
Estudos anteriores mostraram que a ooforectomia profilática reduz o risco de desenvolver câncer de mama e de ovário em mulheres com mutações BRCA1 ou BRCA2 e este é o primeiro estudo a mostrar uma vantagem global de redução da mortalidade. Tal como muitos,  70 por cento das mulheres nos Estados Unidos que apresentam mutações de BRCA optam por realizarem a ooforectomia profilática. Muitos médicos recomendam que essas mulheres se submetam à cirurgia até os 35 anos de idade. No entanto, nem a idade ideal para ter esta cirurgia preventiva, nem o efeito da cirurgia sobre o risco global de morte havia sido adequadamente estudada.
"Estes dados são tão impressionantes que acreditamos que a ooforectomia profilática até os 35 anos deve tornar-se um padrão universal para as mulheres com mutações BRCA1", disse Steven Narod, MD, professor de medicina na Universidade de Toronto, no Canadá e principal autor do estudo.
Ele acrescentou: "As mulheres com mutações BRCA2, por outro lado, podem atrasar a  cirurgia até seus 40 anos, uma vez que o risco de câncer de ovário não é tão forte."
No estudo clínico hereditário de câncer de ovário, os pesquisadores do Canadá, Estados Unidos, Polônia, Noruega, Áustria, França e Itália identificaram 5.789 mulheres com mutações de BRCA, em um registro internacional, as quais responderam a questionários sobre sua história reprodutiva, história cirúrgica (incluindo ooforectomia preventiva e mastectomia) e uso de hormônios. O estudo começou em 1995, e as mulheres foram acompanhadas até 2011. Os investigadores examinaram a relação entre a ooforectomia profilática e as taxas de câncer de ovário, trompas de falópio, e peritoneal primário (abdominal), e a taxa global de morte (mortalidade total) com até 70 anos.
Entre as 5.787 mulheres, 2.274 não tiveram ooforectomia, 2.123 já haviam tido a cirurgia, quando começaram o estudo, e 1.390 foram submetidos a ooforectomia, durante o período de acompanhamento do estudo. Após um período médio de acompanhamento de 5,6 anos (com algumas mulheres seguiram desde que 16 anos), 186 mulheres desenvolveram câncer ou ovário, trompa de Falópio, ou câncer peritoneal.
No geral, os pesquisadores descobriram que a ooforectomia reduziu o risco de câncer de ovário em 80 por cento. Para as mulheres que carregam uma mutação BRCA1, os autores estimam que adiar a cirurgia até 40 anos de idade aumenta o risco de câncer de ovário a 4 por cento, o risco de câncer de ovário aumentou para 14,2 por cento, se a mulher esperou até os 50 anos para fazer a cirurgia. Em contraste, apenas um caso de câncer de ovário foi diagnosticado antes dos 50 anos entre os portadores da mutação BRCA2 neste estudo. Em comparação, o risco de câncer de ovário em todas as mulheres (incluindo aqueles sem mutações de BRCA) é de apenas 1,4 por cento.
Das 511 mulheres que morreram durante o estudo, 333 morreram de câncer de mama, 68 de ovário, trompa de Falópio, ou cânceres peritoneal, e o restante de outras causas. A ooforectomia profilática reduziu o risco de morte por qualquer causa em 77 por cento (em grande parte através da redução dos riscos de ovário, trompa de Falópio, peritoneal e cânceres de mama). Dr. Narod observou que a diminuição de risco de 77 por cento é ainda maior do que o benefício da quimioterapia, e foi igualmente forte para portadores da mutação tanto BRCA1 e BRCA2.
Em um estudo prévio por este grupo, a ooforectomia também foi mostrada para reduzir o risco de câncer de mama em 48 por cento em mulheres com uma mutação BRCA1, e uma vez diagnosticada, reduziu o risco de morte por câncer de mama em 70 por cento.

Notícia:
A história acima é baseada em materiais fornecidos pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) . Nota: Os materiais podem ser editadas para o conteúdo e extensão.

2 comentários:

  1. Gostaria de saber se esse exame BRCA é coberto pelos planos de saude?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cristina,

      O CA 125 é um exame de sangue e é coberto pelos planos de saúde sim.

      Abraços.

      Nanci

      Excluir

OBRIGADA PELO SEU COMENTÁRIO, MUITO BOM TER VOCÊ POR AQUI! AJUDE-NOS NA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DE COMBATE AO CA DE OVÁRIO, DIVULGANDO E COMPARTILHANDO AS NOSSAS POSTAGENS!

A.C.Camargo Cancer Center e Institut Curie firmam acordo de colaboração para pesquisa do câncer e os primeiros alvos são os sarcomas e radioterapia

Acordo de colaboração científica entre o A.C.Camargo Cancer Center e um dos principais centros europeus de pesquisa do câncer, o Institut ...