terça-feira, 23 de abril de 2013

Nova tecnologia em estudo detecta câncer de ovário usando células vizinhas


Science News - 22 abril de 2013 - A pioneira tecnologia biofotônica  desenvolvida na Universidade de Northwestern é o primeiro método de triagem para detectar a presença precoce de câncer de ovário em seres humanos através da análise de células vizinhas coletadas do útero ou do colo do útero e não dos próprios ovários.

A equipe de pesquisadores da Northwestern University e NorthShore HealthSystem (NorthShore) realizou um estudo clínico de câncer de ovário em NorthShore. Usando a microscopia de onda parcial espectroscópica (PWS), viram mudanças de diagnóstico em células retiradas do colo do útero ou útero de pacientes com câncer de ovário, embora as células pareciam normais sob um microscópio.

Os resultados têm o potencial de se traduzir em um método de detecção precoce minimamente invasiva utilizando células coletadas por swab, exatamente como um exame de Papanicolaou. Nenhum método confiável para a detecção precoce do câncer de ovário existe atualmente.

Em estudos anteriores Northwestern-NorthShore, a técnica PWS tem mostrado resultados promissores na detecção precoce de câncer de cólon, pâncreas e pulmão, utilizando células de órgãos vizinhos. Se comercializada, a PWS pode estar em uso clínico para um ou mais cancros em cerca de cinco anos.

O estudo do câncer de ovário, foi publicado este mês pela revista International Journal of Cancer .

A PWS utiliza a dispersão de luz para examinar a arquitectura das células em nanoescala e pode detectar mudanças profundas que são os primeiros sinais conhecidos da carcinogénese. Estas alterações podem ser vistas em células distantes do local do tumor, ou mesmo antes de se formar um tumor.

"Ficamos surpresos ao descobrir que pudemos ver as mudanças de diagnóstico em células retiradas de endocérvice em pacientes que tiveram câncer de ovário", disse Vadim Backman, que desenvolveu PWS em Northwestern. "A vantagem de nanocitologia - e por que estamos tão animados sobre ele - é que não precisa esperar para um tumor se desenvolver para se detectar câncer".

Backman é um professor de engenharia biomédica na Faculdade de Engenharia e Ciências Aplicadas McCormick. Ele e seu colaborador de longa data, Hemant K. Roy,  vêm trabalhando juntos há mais de uma década e ambos são autores do artigo.
"As mudanças que temos visto nas células têm sido idênticas, não importa qual o órgão que estamos estudando", disse Backman. 
"Essa descoberta intrigante pode representar um avanço que permitiria personalização de estratégias de rastreamento para o câncer de ovário através de um teste minimamente invasivo que pode ser acoplado ao exame de Papanicolau", disse Roy.

A PWS pode detectar características celulares tão pequenos como 20 nm, e descobrir diferenças nas células que parecem normais, utilizando técnicas de microscopia padrão. O teste baseado em PWS faz uso do "efeito de campo", um fenómeno biológico no qual as células situadas a alguma distância da neoplasia maligna ou pré-maligna, sofrem alterações moleculares e outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADA PELO SEU COMENTÁRIO, MUITO BOM TER VOCÊ POR AQUI! AJUDE-NOS NA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DE COMBATE AO CA DE OVÁRIO, DIVULGANDO E COMPARTILHANDO AS NOSSAS POSTAGENS!

A.C.Camargo Cancer Center e Institut Curie firmam acordo de colaboração para pesquisa do câncer e os primeiros alvos são os sarcomas e radioterapia

Acordo de colaboração científica entre o A.C.Camargo Cancer Center e um dos principais centros europeus de pesquisa do câncer, o Institut ...