sábado, 24 de outubro de 2015

A vida é efêmera, portanto, VIVA!

Há um pouco mais de três anos, após receber um diagnóstico bombástico de ca de ovário, minha grande preocupação era encontrar sobreviventes! Procurei muito no google e não achava absolutamente nada aqui no Brasil. Ninguém para compartilhar comigo suas experiências, ninguém para me dar uma palavra de conforto ou esperança! Acreditei, por algum tempo, que não existiam sobreviventes...Mas não me dei por vencida! Resolvi criar esse blog, a princípio, para encontrar pessoas que tivessem vivenciando o mesmo que eu! 
A partir daí, comecei a encontrar e a conhecer mulheres maravilhosas, também vítimas do ca de ovário!
Muitas dessas irmãs-amigas já partiram, mas muitas estão super bem, graças a Deus! 
Tenho acompanhado casos de sucesso e insucesso...Tenho tido momentos de alegria e tristeza...ora vibro e ora choro...mas tem valido pena!
Toda essa vivência tornou-me uma pessoa mais forte e despertou-me para a vida! Já não me preocupo com o ca e com termos como remissão, recidiva, sobrevida...vivo um dia de cada vez, procurando ser feliz!
Garanto a vocês que vivi muito mais nos últimos três anos, do que em toda a minha vida anterior ao ca! 
Infelizmente, no meu caso foi necessário um fato impactante para eu acordar para a vida! 
A gente não sabe adivinhar. A gente não sabe por quanto tempo estará enfeitando esse PLANETA. E descuidamos. Cuidamos pouco. De nós, dos outros. 
Nos entristecemos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosos. Perdemos dias, às vezes anos. 
Nos calamos quando deveríamos falar; falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio. Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede essa aproximação. Não damos um beijo carinhoso "porque não estamos acostumados com isso" e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro sabe automaticamente o que sentimos.
E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece e continuamos os mesmos, fechados em nós. Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente. Cobramos. Dos outros. Da vida. De nós mesmos. Nos consumimos.
E o tempo passa...
Passamos pela vida, não vivemos. Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa.
Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás. E então nos perguntamos: e agora?!

Moral da estória: Não espere por algo que o faça descobrir que a vida é efêmera para que você viva plenamente!

sábado, 10 de outubro de 2015

Obrigada pelos 200.000 acessos!

O Blog "Câncer de Ovário: Um Mal Sussurrante" atinge a marca dos 200.000 acessos. Blog este idealizado com o propósito de deixar o leitor bem atualizado com informações sobre câncer de ovário (notícias, relatos e experiências pessoais).  Só tenho que agradecer a todos vocês pela companhia diária e, ao mesmo tempo, pedir que continuem acessando e compartilhando as informações do blog.

Estarei sempre trazendo conteúdos com responsabilidade para vocês, amigos leitores, que são a razão do sucesso do blog.

O meu muito obrigada a todos os amigos visitantes, seguidores, curtidores, apoiadores e admiradores do blog, que continuam acreditando que a INFORMAÇÃO PODE SALVAR VIDAS!

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Outubro Rosa 2015

DADOS DO CÂNCER DE MAMA - Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, em 2015, são esperados em torno de 57.120 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres. O câncer de mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo, e a segunda causa de morte por câncer nos países desenvolvidos, ficando atrás somente do câncer de pulmão, e a maior causa de morte por câncer nos países em desenvolvimento.
No Brasil, a mamografia bienal para mulheres entre 50 e 69 anos e o exame clínico das mamas, anualmente, a partir dos 40 anos, são recomendados para a detecção precoce do câncer de mama em mulheres com risco padrão. Para as mulheres de grupos populacionais considerados de risco elevado para câncer de mama (com histórico familiar de câncer de mama em parentes de primeiro grau), tanto o exame clínico da mama como a mamografia devem ser feitos todo ano, a partir de 35 anos.

O Outubro Rosa é uma campanha mundial, que começou nos Estados Unidos na década de 1990, durante a primeira Corrida pela Cura de Nova York.  Depois disso, recebeu adesão de outros países e recebeu atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença.

Detecção precoce
É importante que as mulheres, independentemente da idade,  conheçam seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. Ao identificarem alterações suspeitas, devem procurar imediatamente um serviço de saúde para avaliação profissional.

Além de estar atenta ao próprio corpo, também é recomendado que a mulher faça exames de rotina de acordo com a sua idade. Esses exames podem ajudar a identificar o câncer antes de a pessoa ter sintomas. No Brasil, as orientações para detecção precoce do câncer de mama são:

Mulheres de 40 a 49 anos
Realizar o exame clínico das mamas anualmente.

Mulheres de 50 a 69 anos
Realizar exame clínico das mamas anualmente e mamografia a cada dois anos.

Mulheres com risco elevado para câncer de mama (caso na família de câncer de mama masculino; ter parente de primeiro grau [mãe, irmã, filha] que teve câncer de mama antes dos 50 anos; parente com câncer de mama bilateral (nas duas mamas) ou no ovário, em qualquer idade)
Conversar com o seu médico para avaliação do risco e decidir a conduta a ser adotada.
Quais os benefícios e riscos da mamografia?
Antes dos 50 anos, as mamas são mais firmes e têm menos gordura (mamas densas), o que torna a mamografia limitada para identificar alterações. Por este motivo, quando o exame é realizado antes da faixa etária recomendada, pode trazer alguns riscos. No entanto, a mamografia de rastreamento pode trazer riscos para mulheres de todas as faixas etárias, como:

Resultados incorretos: suspeita de câncer de mama, que requer outros exames, sem que se confirme a doença (esse alarme falso gera ansiedade e estresse) ou resultado normal, quando existe o câncer (esse erro gera falsa segurança à mulher).
Ser diagnosticada e tratada, com cirurgia (retirada parcial ou total da mama,) quimioterapia e radioterapia, de um câncer que não ameaçaria a vida: isso ocorre em virtude do crescimento lento de certos tipos de câncer de mama, ou no caso de pacientes acima de 70 anos.
Exposição aos Raios X: raramente causa câncer, mas há um discreto aumento do risco quanto mais frequente é a exposição.
Em caso de resultado alterado no exame clínico das mamas, a mamografia é indicada e, neste caso, ela é considerada "mamografia diagnóstica".

Clique aqui para ter mais informações sobre as ações de controle do câncer de mama no Brasil e sobre as orientações para detecção da doença


PARTICIPEM DAS CAMPANHAS EM SUA CIDADE! 


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Chegou a hora de voltar a fazer planos...

Estou em remissão há um pouco mais de três anos e realizo os exames de acompanhamento a cada quatro meses.
Por um certo tempo pensei: por que fazer planos se o meu prazo de validade é de quatro em quatro meses? Meu receio era começar um projeto e ter que abandoná-lo, mas, por outro lado, vinha em minha mente a seguinte pergunta: qual a graça e motivação em viver se não tenho qualquer plano para a minha vida?
Decidi voltar a fazer planos, mas surgiu um outro problema, a vontade de realizar muitas e muitas coisas: viajar pelo mundo, fazer um mestrado, guardar dinheiro, complementar a minha renda com outra atividade, praticar esportes, enfim, muitos novos projetos...
O resultado de se querer fazer muita coisa ao mesmo tempo é que se patina, patina e não se chega a lugar algum, ou melhor dizendo, não é possível concluir nada...e foi o que aconteceu comigo, pois acabei perdendo o foco.
Quando temos uma segunda oportunidade temos que recomeçar a nossa vida e nos deparamos com alguns dilemas, pois tudo muda, a gente muda, a vida muda. Acabamos por nos sentir desorientados. 
Acabei buscando na net um roteiro para me ajudar na tarefa de me organizar e traçar um novo plano para a minha vida, o qual compartilho a seguir:

AS OITO ÁREAS DA NOSSA VIDA

Há muitas áreas de nossa vida que podem ser selecionadas para o planejamento: trabalho, relacionamento, saúde, espiritualidade, finanças e aspectos legais, espaços, estudos e outras áreas que você definir. Se você quer um plano mais amplo, o ideal é se debruçar sobre cada uma das áreas, uma por uma. Se quer um plano mais simples, então procure definir suas metas dentro das áreas que forem essenciais pra você no momento. A seguir, pequenas dicas sobre cada área.

Saúde. Não apenas como andam suas idas ao médico ou como está sua alimentação ou se você precisa fazer um regime... mas tudo relacionado à manutenção da integridade dos seus quatro corpos inferiores. 

Relacionamentos.Todos... família, amigos, colegas de trabalho, e até mesmo o relacionamento com Deus. 

Estudos. Neste item, inclua leituras, acesso à informação e todas as formas de aumentar seu conhecimento, tanto acadêmico e profissional quanto espiritual. 

Espaços... físicos e virtuais, onde sua vida acontece. Estão organizados? Há algo que você queira mudar pra viver em espaços mais adequados ao que você quer pra sua vida?

Trabalho. E não apenas o trabalho profissional... 

Finanças e aspectos legais. Do controle financeiro ao seu patrimônio.

Espiritualidade. Ela permeia tudo... e deve estar presente em todas as outras áreas. É ela que dá a dimensão transcendente pra todos os aspectos materiais e práticos da nossa vida. Mas tente pensar na espiritualidade em termos de planejamento... 

Outras áreas de sua vida que você quer contemplar no seu planejamento. Mas não aumente muito a lista. Se for o caso, substitua uma ou outra área por outra que seja importante pra você. O ideal é um máximo de 8 áreas.

REFLEXÕES IMPORTANTES

Observe sua vida, como ela se expressa no momento. 
Contemple o ideal a ser manifestado em cada área.
Identifique pendências, dificuldades, obstáculos, bloqueios. Encontre soluções. 
Desfazedores de planos: você pode livrar-se deles.
Como você usa seu tempo? Como poderá organizá-lo para viver melhor?
Defina suas prioridades.
Instrumentos para criar mudanças, manter o que já existe e ampliar a linha do seu horizonte.
O caminho entre o desejo, o plano e a realização.
Valores a serem considerados e desenvolvidos para que o plano de vida se realize.
Qual o objetivo imediato e final, do seu plano de vida? 

AS TRÊS ESTAPAS DO PLANEJAMENTO DE VIDA

Geralmente, fazemos o planejamento em três etapas. 

Primeira etapa. Fazemos reflexões sobre o momento atual da nossa vida, nas várias áreas que definimos para o planejamento. As perguntas que nos orientam são: onde estou, de onde vou partir para fazer meu planejamento? 

Segunda etapa. Agora estabelecemos as metas. Para onde quero ir? Onde quero chegar? E essa pergunta precisa ser feita pra cada área da nossa vida. Transformamos nossos desejos e sonhos em metas bem claras. 

Terceira etapa. Nessa fase, estabelecemos as estratégias para alcançar as metas. Como fazer para realizar os planos e alcançar as metas? 

Deixo aqui pra você uma reflexão sobre as três perguntas principais que orientam o planejamento de vida que fazemos. 

ONDE ESTOU? ONDE QUERO CHEGAR? COMO FAZER PARA CHEGAR LÁ? 

Quando decidimos planejar nossa vida, precisamos fazer três perguntas inicias. Onde eu estou? Onde quero chegar? Como fazer para chegar lá? 

Quando perguntamos “Onde eu estou?”, estamos buscando referencias sobre o lugar de onde vamos partir para começar nosso planejamento. Estamos buscando entender o nosso ponto de partida. De onde começar para fazer um plano de vida? Será necessário levantar dados, buscar informações para definir o nosso momento atual. Precisaremos reconhecer o lugar onde estamos no momento, as circunstâncias que nos cercam, o contexto onde estamos inseridos. Será necessário observar tudo o que encontrarmos, analisar as informações corretamente, para então ver o que fazer com tudo o que encontramos. 

A segunda pergunta: “Onde quero chegar?”, leva-nos a identificar como gostaríamos que as coisas fossem, se tudo pudesse ser exatamente como desejamos. Isso nos levará a identificar o padrão ideal para nossas vidas, os nossos sonhos mais íntimos e nossos anseios mais fortes. Mesmo que alguns desses anseios e sonhos nos pareçam impossíveis de serem realizados, identifica-los é essencial para nosso plano de vida. Com maturidade, fé e o esforço certo, eles podem ser transformados em metas. Tendo estabelecido as metas, o próximo passo é buscar formas de alcança-las. 

A terceira pergunta é: “Como fazer para chegar lá?”. O que podemos fazer para alcançar nossas metas, realizar nossos sonhos? Qual o primeiro passo que devemos dar? Poderão aparecer obstáculos no caminho em direção às metas. Como nos prevenir deles, como olhar para esses obstáculos quando eles aparecerem, como ultrapassá-los? Devemos também analisar as fragilidades do plano e também as dificuldades pessoais que poderão nos impedir de chegar aos nossos objetivos. Tendo consciência de que algumas dificuldades podem aparecer, agora o próximo passo é encontrar soluções para elas. 

Um planejamento de vida bem traçado é um instrumento importante para que nossa vida cumpra sua razão de ser. Para fazer esse planejamento, é interessante reservar um tempo largo para isso, dedicar momentos para reflexão e trabalhar para que o que é mais importante para nós seja contemplado no plano. 



Exame de sangue em estudo pode detectar câncer em estágio inicial

Teste identifica rastros do código genético de vários tipos de tumores. Biópsia líquida deve estar disponível aos pacientes no prazo de 2...