terça-feira, 29 de abril de 2014

Nova vacina de DNA em estudo pode matar e combater o câncer de ovário!



Fonte: Perelman School of Medicine da University of Pennsylvania - 25/04/2014

Resumo: Uma nova vacina de DNA está sendo estudada para matar o câncer, não atacando as células tumorais, mas visando os vasos sanguíneos que os mantem vivos. A vacina também cria uma resposta imune para o tumor propriamente dito, amplificando o ataque por um fenômeno chamado epitopor. A equipe injetou em ratos  uma vacina de fusão de DNA. Em modelos de ratos com três tipos de cancro a formação de tumores foi atrasada ou impedida em ratinhos vacinados com a nova vacina. Especificamente, eles descobriram que a diminuição da formação de vasos suprimiu o crescimento do tumor e aumentou a infiltração de células imunitárias em tumores.


Às vezes, um ataque a todas às células não é a melhor abordagem para lidar com um inimigo poderoso. Uma abordagem mais eficaz, a longo prazo, pode ser a de direcionar o ataque ao sistema de suprimentos que reabastece e que mantêm seu inimigo forte e pronto para a batalha. Um grupo de pesquisadores do Centro de Câncer Abramson e a Escola Perelman de Medicina da Universidade da Pensilvânia está seguindo esta estratégia, empregando uma vacina de DNA para matar o câncer, e não atacando as células tumorais, mas visando os vasos sanguíneos que os mantém vivos. A vacina também cria uma resposta imune para o tumor propriamente dito, amplificando o ataque por um fenômeno chamado epitopo. Os resultados do estudo foram publicados este mês no Journal of Clinical Investigation.
Estudos anteriores tiveram como alvo a angiogênese  do tumor (a formação de novos vasos sanguíneos que alimentam as células tumorais). No entanto, esta abordagem também pode interferir com os processos normais envolvidas na cicatrização de feridas. Investigadores tem evitado essa armadilha através da concepção de uma vacina de DNA que visa especificamente TEM1 (marcador endotelial tumor 1), uma proteína que é abundante em tumores e mal expressa em tecidos normais.
"Nós demonstramos que, visando TEM1, nossa vacina pode diminuir a vascularização do tumor, aumentar a hipóxia do tumor e reduzir o crescimento do tumor", diz Andrea Facciabene, PhD, professor assistente de pesquisa de Obstetrícia e Ginecologia e membro do corpo docente do Centro de Pesquisa de cancro do ovário em Penn Medicine. "Nossos resultados confirmam que foram alvo diretamente a vasculatura do tumor e também, indiretamente, matar as células tumorais através epítopo."
A equipe de Penn injetou em ratinhos uma vacina de DNA de fusão chamado TEM1-TT, criado através da fusão de ADN complementar TEM1 com um fragmento do toxóide do tétano (TT). Em modelos de ratos de três tipos de câncer (mama, cólon, e cervical), a formação do tumor foi adiada ou evitada em ratos vacinados com a vacina TEM1-TT DNA. Especificamente, eles descobriram que a vacina suprimiu o crescimento do tumor em ratos com a diminuição da formação de vasos do tumor e aumentou a infiltração de células imunitárias em tumores.
Os investigadores descobriram que a vacina de DNA, depois de matar as células endoteliais que formam os vasos tumorais (vasculatura), também resultaram em epitopo espalhamento, o que significa que as células imunitárias dos ratinhos agem (devido a hipoxia) para criar uma resposta imunitária secundária contra o tumor em si. A vacina induziu as células T específicas para combater outras células tumorais expressão de outras proteínas, além de TEM1, aumentando assim a sua eficácia terapêutica.
A nova abordagem vacina de DNA para combater o câncer tem mostrado grande potencial em relação a estudos anteriores que se concentravam em células tumorais, em vez de os vasos sanguíneos que permitem que as células tumorais se espalhem.
"Até agora tem havido uma série de estudos clínicos com vacinas de DNA para atingir-se os tumores, mas, infelizmente, os resultados têm sido decepcionantes," Facciabene observa. "Esta é uma abordagem diferente, que deve aumentar o otimismo para vacinas contra o câncer em geral. Além disso, com base no que temos visto em nossos estudos com ratos, a vacina parece não mostram quaisquer efeitos colaterais significativos."
A prevalência de TEM1 em uma ampla gama de tipos de tumor juntamente com a sua escassez em vasos normais faz dele um alvo adequado tanto para uma defesa profiláctica contra o cancro e um complemento de outras terapias, tais como a radioterapia e quimioterapia. "Usando esta vacina simultaneamente com a radiação pode, eventualmente, ter uma sinergia dupla", diz Facciabene. "Ambos os tratamentos afetam o endotélio do tumor, a radioterapia poderia ajudar o fenômeno do epítopo espalhando induzida pela vacina TEM1-TT". Além do trabalho pré-clínico em curso com TEM1 humana, Facciabene e seus colegas estão planejando passar para a Fase I de ensaios clínicos em humanos.
Os autores sugerem que TEM1 também pode ser um excelente alvo como uma vacina contra o cancro profilático para indivíduos que têm um elevado risco de desenvolvimento de cancro do ovário, tais como portadores de mutações nos genes BRCA1 / 2  predominantes na mama e cancro do ovário. Pesquisa para desenvolver esses tipos de estratégias são um objetivo-chave do Centro de Pesquisa Basser de Penn para BRCA. Como uma vacina genuína, a vacina de DNA MET-TT gera uma resposta imune de memória, o qual diz Facciabene é um atributo ideal para populações de alto risco.
Notícia:
A história acima é baseada em materiais fornecidos por Perelman School of Medicine da Universidade da Pensilvânia . Nota: Os materiais podem ser editadas para o conteúdo e extensão.

4 comentários:

  1. Será que demorará muito para chegar ao mercado essa vacina???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Chris, creio que demorara mais de 10 anos!!!! Ainda está na fase de testes em ratos no exterior, nem foi testada em humanos! Afiiiii!

      Excluir
  2. Olá meu nome Andreia, tenho Ca. de ovário há seis anos, já fiz 8 cirurgias, tomei 27 sessões de quimioterapia venosa, agora no momento tomo Xeloda (capecitabina) 6 comprimidos por dia durante 14 dias, enfim estou nessa luta até hoje. Aparentemente estou muito bem em vista do que já passei, o tipo dele é um adenocarcinoma grau lll, borderline, isso significa que ele é resistente porém lento crescimento, mas crônico. Hoje estou com 39 anos, e tenho esperanças de que essa vacina será nossa salvação! Sofrer desse mal é indescritível, ninguém tem noção o que é sentir esse tratamento. Mas gostaria de deixar uma dica: pensei que eu ia morrer rápido, mas não apostei todas as fichas no meu psicológico, apostei em DEUS, apostei nos meus amigos, na minha família, nos meus anjos médicos, nunca fiquei triste por causa da doença, passei a viver um dia de cada vez, passei a dar valor nas pequenas coisas, passei a ler, fazer coisas que nunca tive tempo para fazer, pois me dedicava demais ao trabalho. Eu tinha uma vida agitada, cansativa, trabalhava em hospital e todos os dias via tristezas, doenças, crianças doentes, idosos morrendo etc... Porém lhes digo o melhor caminho para tratar do câncer é aceitar, enfrentar, e depositar sua confiança a ti mesmo! Estive desenganada por duas vezes, e isso já basta para eu saber que tudo é possível, e que devemos fazer nossa parte, e que no futuro seremos referência para outras pessoas que estão chegando para enfrentar este mal que é o CÂNCER! Obrigada! Uberaba 07/05/2014

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andreia querida!
      Uhuuuu! Adorei o seu relato! Parabéns por sua força e fé!
      O caminho é esse mesmo: crermos em Deus que tudo é possível!
      Também procurei adotar essa postura e nunca me senti vítima da doença!
      Andreia, gostaria muito que participasse de nosso grupo no facebook SOMOS MAIS QUE VENCEDORAS! Sua estória e sua força poderiam ajudar muita gente!
      Obrigada!
      Beijos.
      Nanci

      Excluir

OBRIGADA PELO SEU COMENTÁRIO, MUITO BOM TER VOCÊ POR AQUI! AJUDE-NOS NA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DE COMBATE AO CA DE OVÁRIO, DIVULGANDO E COMPARTILHANDO AS NOSSAS POSTAGENS!

A.C.Camargo Cancer Center e Institut Curie firmam acordo de colaboração para pesquisa do câncer e os primeiros alvos são os sarcomas e radioterapia

Acordo de colaboração científica entre o A.C.Camargo Cancer Center e um dos principais centros europeus de pesquisa do câncer, o Institut ...