terça-feira, 29 de abril de 2014

Nova vacina de DNA em estudo pode matar e combater o câncer de ovário!



Fonte: Perelman School of Medicine da University of Pennsylvania - 25/04/2014

Resumo: Uma nova vacina de DNA está sendo estudada para matar o câncer, não atacando as células tumorais, mas visando os vasos sanguíneos que os mantem vivos. A vacina também cria uma resposta imune para o tumor propriamente dito, amplificando o ataque por um fenômeno chamado epitopor. A equipe injetou em ratos  uma vacina de fusão de DNA. Em modelos de ratos com três tipos de cancro a formação de tumores foi atrasada ou impedida em ratinhos vacinados com a nova vacina. Especificamente, eles descobriram que a diminuição da formação de vasos suprimiu o crescimento do tumor e aumentou a infiltração de células imunitárias em tumores.


Às vezes, um ataque a todas às células não é a melhor abordagem para lidar com um inimigo poderoso. Uma abordagem mais eficaz, a longo prazo, pode ser a de direcionar o ataque ao sistema de suprimentos que reabastece e que mantêm seu inimigo forte e pronto para a batalha. Um grupo de pesquisadores do Centro de Câncer Abramson e a Escola Perelman de Medicina da Universidade da Pensilvânia está seguindo esta estratégia, empregando uma vacina de DNA para matar o câncer, e não atacando as células tumorais, mas visando os vasos sanguíneos que os mantém vivos. A vacina também cria uma resposta imune para o tumor propriamente dito, amplificando o ataque por um fenômeno chamado epitopo. Os resultados do estudo foram publicados este mês no Journal of Clinical Investigation.
Estudos anteriores tiveram como alvo a angiogênese  do tumor (a formação de novos vasos sanguíneos que alimentam as células tumorais). No entanto, esta abordagem também pode interferir com os processos normais envolvidas na cicatrização de feridas. Investigadores tem evitado essa armadilha através da concepção de uma vacina de DNA que visa especificamente TEM1 (marcador endotelial tumor 1), uma proteína que é abundante em tumores e mal expressa em tecidos normais.
"Nós demonstramos que, visando TEM1, nossa vacina pode diminuir a vascularização do tumor, aumentar a hipóxia do tumor e reduzir o crescimento do tumor", diz Andrea Facciabene, PhD, professor assistente de pesquisa de Obstetrícia e Ginecologia e membro do corpo docente do Centro de Pesquisa de cancro do ovário em Penn Medicine. "Nossos resultados confirmam que foram alvo diretamente a vasculatura do tumor e também, indiretamente, matar as células tumorais através epítopo."
A equipe de Penn injetou em ratinhos uma vacina de DNA de fusão chamado TEM1-TT, criado através da fusão de ADN complementar TEM1 com um fragmento do toxóide do tétano (TT). Em modelos de ratos de três tipos de câncer (mama, cólon, e cervical), a formação do tumor foi adiada ou evitada em ratos vacinados com a vacina TEM1-TT DNA. Especificamente, eles descobriram que a vacina suprimiu o crescimento do tumor em ratos com a diminuição da formação de vasos do tumor e aumentou a infiltração de células imunitárias em tumores.
Os investigadores descobriram que a vacina de DNA, depois de matar as células endoteliais que formam os vasos tumorais (vasculatura), também resultaram em epitopo espalhamento, o que significa que as células imunitárias dos ratinhos agem (devido a hipoxia) para criar uma resposta imunitária secundária contra o tumor em si. A vacina induziu as células T específicas para combater outras células tumorais expressão de outras proteínas, além de TEM1, aumentando assim a sua eficácia terapêutica.
A nova abordagem vacina de DNA para combater o câncer tem mostrado grande potencial em relação a estudos anteriores que se concentravam em células tumorais, em vez de os vasos sanguíneos que permitem que as células tumorais se espalhem.
"Até agora tem havido uma série de estudos clínicos com vacinas de DNA para atingir-se os tumores, mas, infelizmente, os resultados têm sido decepcionantes," Facciabene observa. "Esta é uma abordagem diferente, que deve aumentar o otimismo para vacinas contra o câncer em geral. Além disso, com base no que temos visto em nossos estudos com ratos, a vacina parece não mostram quaisquer efeitos colaterais significativos."
A prevalência de TEM1 em uma ampla gama de tipos de tumor juntamente com a sua escassez em vasos normais faz dele um alvo adequado tanto para uma defesa profiláctica contra o cancro e um complemento de outras terapias, tais como a radioterapia e quimioterapia. "Usando esta vacina simultaneamente com a radiação pode, eventualmente, ter uma sinergia dupla", diz Facciabene. "Ambos os tratamentos afetam o endotélio do tumor, a radioterapia poderia ajudar o fenômeno do epítopo espalhando induzida pela vacina TEM1-TT". Além do trabalho pré-clínico em curso com TEM1 humana, Facciabene e seus colegas estão planejando passar para a Fase I de ensaios clínicos em humanos.
Os autores sugerem que TEM1 também pode ser um excelente alvo como uma vacina contra o cancro profilático para indivíduos que têm um elevado risco de desenvolvimento de cancro do ovário, tais como portadores de mutações nos genes BRCA1 / 2  predominantes na mama e cancro do ovário. Pesquisa para desenvolver esses tipos de estratégias são um objetivo-chave do Centro de Pesquisa Basser de Penn para BRCA. Como uma vacina genuína, a vacina de DNA MET-TT gera uma resposta imune de memória, o qual diz Facciabene é um atributo ideal para populações de alto risco.
Notícia:
A história acima é baseada em materiais fornecidos por Perelman School of Medicine da Universidade da Pensilvânia . Nota: Os materiais podem ser editadas para o conteúdo e extensão.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Óculos inovadores prometem revolucionar cirurgias de remoção células cancerígenas



Células cancerígenas são difíceis de serem diferenciadas das demais a olho nu. Aliás, mesmo com as tecnologias hoje disponíveis, distingui-las não é tarefa fácil. Por causa disso, é comum que pacientes que retiram tumores por meio de procedimentos cirúrgicos precisem voltar à mesa de cirurgia para remover resquícios de tecido cancerígeno que não haviam sido identificados na primeira vez.

Pensando em facilitar a vida do cirurgião e causar menos dor e preocupação para o paciente, pesquisadores da Washington University School of Medicine, em St. Louis, nos EUA, criaram um método capaz de identificar em um tecido quais células são cancerígenas.

O procedimento é simples: o paciente recebe uma injeção contendo uma substância cujas moléculas se unem apenas às células cancerígenas. Ao usar um óculos especialmente projetado para isso, as células impregnadas com o material ganham tonalidade azul, ficando fácil distingui-las das demais.

A primeira cirurgia feita com a ajuda do óculos, que ainda não tem nome, aconteceu em abril deste ano e o teste foi um sucesso. A tecnologia ainda precisa de ajustes e será testada mais vezes. Se tudo der certo, em breve, pacientes com tumores terão mais chances de serem curados com uma única cirurgia certeira.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Preparando as malas!

Olá leitores, tudo bem com vocês? Comigo está tudo bem graças a Deus! 
Nas últimas semanas, eu estava bem apreensiva com os resultados dos meus exames, mas depois que eu pude ter a certeza de que está tudo bem comigo, já estou dando início aos preparativos para mais uma viagem dos meus sonhos! Agora, a minha ansiedade é para sair logo em férias, pois a minha vida anda bem agitada!
Após o tratamento do câncer, prometi a mim mesma que, a todo ano, eu me daria o prazer de viajar e conhecer mais um cantinho desse maravilhoso mundo. Tenho cumprido a minha promessa e, anualmente, junto todas as minhas economias e embarco em uma nova aventura!  
Quero possuir tantas memórias maravilhosas quanto me for possível! Isso me dá forças, esperança, energia e a certeza de que estou realmente vivendo o meu presente, a minha vida! E aí vou eu....
Beijos a todos.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Boa Notícia!



Olá leitores, tudo bem com vocês? Como eu havia prometido, trago notícias minhas!
Hoje, fiz uma verdadeira via-sacra pelo AC Camargo: passei com os meus queridos médicos Dr. Carlos Faloppa (cirurgião), Juan Bautista (mastologista) e Newton Rodrigues (oncologista)! Ah, e "de quebra", fiz também a limpeza do cateter no AC de Santo André! Ufaaa, foi um dia cansativo!
A única coisa que mudou desde a minha última consulta, em setembro de 2013, foi que o Dr. Carlos se casou (para a tristeza das solteiras de plantão Rsrsr), ou seja, nada mudou nos resultados dos meus exames, que continuam ótimoooooos, graças ao bom Deus e à torcida de todos vocês!
Muito obrigada a todos que me tranquilizaram e que me aturaram durante a minha crise de ansiedade pré-exames, a todos que torceram e torcem por mim e a esses médicos maravilhosos que me assistem com tanto carinho!
Meu agradecimento especial ao Dr. Hans e sua equipe, que tem cuidado de mim desde março de 2012 com um amor inimaginável!
Uhuuuuuuu! Estou muito feliz! 

Beijão a todos!



quinta-feira, 10 de abril de 2014

Cientistas vinculam câncer de ovário ao sobrepeso

 
Em Londres 11/03/2014
As mulheres com sobrepeso ou obesidade têm mais possibilidades de desenvolver câncer de ovário que as que mantêm um peso saudável. É o que revela um estudo do Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer (WCRF, na sigla em inglês).
Até agora os cientistas tinham relacionado a obesidade ou o excesso de peso a outros tipos de cânceres como o de útero, mama ou cólon, mas os especialistas dessa organização britânica associaram também os de ovário após avaliar 128 estudos realizados sobre a doença.
Até agora se conheciam como fatores de risco do câncer de ovário a idade e o histórico familiar.
Os especialistas do chamado Projeto Contínuo de Atualização, área de pesquisa do WCRF, avaliaram os 128 estudos junto com outras 25 análises sobre o câncer de ovário e o IMC (Índice de massa corporal), que mede o conteúdo de gordura corporal em relação à estatura e ao peso de uma pessoa.
As mulheres que têm um IMC abaixo de 18,5 são consideradas magras, enquanto entre 18,5 e 24,9 são índices normais, mas quando é superior a 25 é sobrepeso.
De acordo com os pesquisadores, quando o índice de massa corporal é de 30 ou superior, a mulher está obesa.
"Há provas de uma associação entre a gordura (fixada pelo IMC) e o câncer de ovário. Uma maior gordura é uma causa provável de câncer de ovário nas mulheres", afirmou a chefe do departamento de pesquisa do WCRF, Rachel Thompson. 
"Agora podemos dizer com certeza que estar com sobrepeso ou obeso aumenta o risco de desenvolver câncer de ovário, assim como é com outros cânceres, como mama, útero ou cólon", acrescentou.
Segundo Thompson, conhecer este vínculo pode ajudar que as mulheres possam fazer mudanças em seu estilo de vida.
A estimativa é que a cada ano são diagnosticados 7.100 novos casos de câncer de ovário no Reino Unido e 4.300 mulheres ao ano morrem por esta doença.

terça-feira, 1 de abril de 2014

O temor de uma recidiva...


Sábado, dia 05/04, será o dia de novos exames de acompanhamento! Minha ansiedade está incontrolável, em razão do temor de uma recidiva, o que me causa insônia, cansaço e irritação! Isso me torna mais introspectiva, mais sensível...Ainda não consigo conter esse sentimento...espero que esse temor não me acompanhe pelo resto da vida... Tenho fé que tudo dará certo e creio que aquilo que pensamos tenha grande poder na concretização ou não do que desejamos e, nesse momento, o meu maior desejo é estar e permanecer saudável, ver-me curada! Agradeço a Deus por permitir que cada dia de minha vida seja uma grande vitória! 

Exame de sangue em estudo pode detectar câncer em estágio inicial

Teste identifica rastros do código genético de vários tipos de tumores. Biópsia líquida deve estar disponível aos pacientes no prazo de 2...