sábado, 2 de fevereiro de 2013

Imunoterapia de duas fases ataca cancer de ovário avançado

Science Daily, 31 de janeiro de 2013 - A maioria das pacientes com câncer de ovário são diagnosticadas com a doença em estágio avançado e que não respondem às terapias existentes. Em um novo estudo, pesquisadores da Escola de Medicina de Perelman na Universidade da Pennsylvania  mostram que um tratamento imunoterápico personalizado em duas fases - uma vacina de células dendríticas (são células imunes que fazem parte do sistema imunológico)com tumor dos próprios pacientes, seguido por terapia adotiva de células T - provoca respostas imunes anti -tumorais neste tipo de pacientes. Quatro das seis pacientes tratadas no estudo responderam à terapia. Os investigadores relatam suas pesquisas este mês no periódico OncoImmunology.
"O que se provou neste estudo foi  que esta é uma estratégia de tratamento seguro", diz o primeiro co autor Lana Kandalaft, PharmD, MTR, PhD, professor assistente de pesquisa de Obstetrícia e Ginecologia e diretor de desenvolvimento clínico no Centro de Pesquisa do cancro do ovário. "É um passeio no parque para os pacientes, especialmente em comparação com quimioterapias padrão e tratamentos cirúrgicos para o câncer de ovário -. Literalmente, alguns pacientes deixou a clínica e saiu para uma caminhada em um parque próximo, após o seu tratamento"
Os resultados seguem a pesquisa do autor sênior do estudo, George Coukos, MD, PhD, diretor do Centro de Pesquisa do cancro do ovário em Penn, que mostrou em 2003 que as mulheres cujos tumores foram infiltrados por células saudáveis ​​do sistema imunológico, chamadas de células T, tendiam a viver mais tempo do que as mulheres cujos tumores eram desprovidos de células T. Essa observação e outras subseqüentes sugerem que o sistema imunológico do paciente está tentando combater a doença mas não consegue reunir a força para vencê-lo. Portanto, os investigadores têm tentado encontrar formas utilizando células tumorais das suas próprias pacientes para aumentar a potência do sistema imunológico.
No estudo atual, Coukos, Kandalaft, co-primeiro autor Daniel J. Powell Jr., PhD, professor assistente de Patologia e Medicina Laboratorial, e colegas trataram seis mulheres com câncer de ovário avançado em um protocolo de dois estágios de imunoterapia em que é utilizada uma vacina de células dendríticas criada a partir do tecido do tumor do próprio paciente, que foi armazenada no momento da cirurgia. Todos os cânceres dessas mulheres tinham progredido durante o cuidado quimioterapico.
No primeiro segmento do estudo, a equipe preparou uma vacina de células dendríticas individualizada para cada paciente. Eles colheram células dendríticas de cada paciente usando aférese, o mesmo processo pelo qual voluntários passam quando doam plaquetas ou outros produtos do sangue, como os coletados para transplantes de células-tronco. Kandalaft e colegas expuseram as células dendríticas de cada paciente ao extrato produzido a partir do tumor da própria mulher, que ensina às células dendríticas quem é o inimigo. Após esse condicionamento, os investigadores vacinaram cada paciente com suas próprias células dendríticas e deu-lhes um regime de quimioterapia, combinando bevacizumab e ciclofosfamida. Como as células dendríticas são como os generais do sistema imunológico, então elas induzem outras células do sistema imunológico a assumir a luta.
Das seis pacientes que receberam a vacina de células dendríticas, quatro desenvolveram uma resposta imune anti-tumor, indicando que a abordagem estava funcionando. Uma dessas pacientes não tinham doença mensurável no início do estudo porque tudo tinha sido removido com êxito durante a cirurgia. Ela permanece hoje em remissão há 42 meses após o tratamento com a vacina. As outras três que tiveram uma resposta imunitária à vacina ainda apresentavam doença residual e foram para o segundo segmento de tratamento.
A equipe colheu  células T de cada uma destas três mulheres. Utilizando uma técnica desenvolvida na Penn, eles desenvolveram as células no laboratório, expandindo os seus números exponencialmente, e, em seguida, as reintroduziram  em cada paciente, que depois foram submetidas a um tratamento de quimioterapia lymphodepleting. Uma vez que as células T já tinham sido treinadas pela vacina de células dendríticas para atacar as células de tumor, a transferência adotiva de células T amplifica a resposta imune anti-tumor.
Duas das mulheres apresentaram uma resposta imune restaurada após a transferência de células T. Uma das mulheres continuou a ter a doença estável, enquanto a outra teve uma resposta completa à terapia.
Os pesquisadores dizem que é muito cedo para dizer se este tipo de terapia será eficaz em um grande número de pacientes com câncer ovariano, mas os primeiros resultados foram promissores. Primeiro, e mais importante, diz ela, a abordagem em duas fases parece segura e bem tolerada pelos pacientes. Além disso, a equipe viu  uma correlação em ambos os passos do tratamento entre as respostas imunitárias e de benefícios clínicos, sugerindo que é, de fato, a resposta imunitária que mantém a doença sob controle.
Com estes resultados encorajadores em mãos, a equipe abriu um grande estudo para o qual eles já tem inscritas cerca de 25 mulheres e o objetivo é ampliar para até mais 30. O novo protocolo utiliza uma plataforma de vacina melhorada e um protocolo otimizado de adoção de transferência de célula T. O PI deste estudo é Janos Tanyi, MD, PhD.
"Grandes ensaios clínicos mostraram que a intensificação da quimioterapia não melhora os resultados para as mulheres com câncer de ovário avançado", Coukos diz. "Então, precisamos explorar outros caminhos. Nós pensamos que a abordagem combinatória de ambos os tratamentos imunológico e quimioterápico é o caminho a percorrer."

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Minha irmã trata cancerde útero no pérola à3anos 2cirurgias é forte não sofre como as outras c/ a quimio mas o cancer pipocou.vcs podem me ajudar enquanto ela está forte?não sei + oque fazer! Onde encontro esse tratamento e quanto custa? Meu email deboramartinellimaruja@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Minha irmã trata cancerde útero no pérola à3anos 2cirurgias é forte não sofre como as outras c/ a quimio mas o cancer pipocou.vcs podem me ajudar enquanto ela está forte?não sei + oque fazer! Onde encontro esse tratamento e quanto custa? Meu email deboramartinellimaruja@gmail.com

    ResponderExcluir

OBRIGADA PELO SEU COMENTÁRIO, MUITO BOM TER VOCÊ POR AQUI! AJUDE-NOS NA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DE COMBATE AO CA DE OVÁRIO, DIVULGANDO E COMPARTILHANDO AS NOSSAS POSTAGENS!

Rucaparib para câncer de ovário recorrente

Data : 08 de setembro de 2017 Fonte: ESMO 2017 LUGANO-MADRID - A terapia de manutenção de Rucaparib aumenta a sobrevivência livre d...