segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Os avanços na compreensão dos mecanismos de resistência aos medicamentos combinados de quimioterapia no câncer de ovário recorrente

ScienceDaily (30 de novembro de 2012) - Mais de metade de todos os pacientes com câncer de ovário  recorrente, eventualmente, deixam de responder à quimioterapia. O insucesso da quimioterapia é geralmente devido ao desenvolvimento de resistência às duas classes principais de agentes quimioterapêuticos utilizados na luta contra o câncer -  carboplatina e docetaxel. Agora, um estudo publicado no Journal of Ovarian Research fornece uma nova informação que acrescenta um novo entendimento clínico sobre os mecanismos envolvidos no desenvolvimento da resistência aos duplos agentes de quimioterapia. Não se sabia se os mecanismos de resistência aos duplos agentes são uma combinação de respostas de resistência a um único agente ou se a novos mecanismos como resultado da terapia combinada caboplatina e  docetaxel. Carita Lanner e sua equipe, de Sudbury, Ontário, no Canadá, fornecem evidências que sugerem que o último é verdadeiro: novas e diferentes mudanças ocorrerm para causar resistência à combinação dupla de agentes.O câncer de ovário é o câncer ginecológico mais letal, com uma taxa de mortalidade de 50% em 5 anos. Um fator importante que contribui para a taxa de mortalidade elevada é o desenvolvimento de resistência aos regimes de quimioterapia. As diferenças no modo de ação e de mecanismos de resistência aos agentes platina e taxanos são aproveitadas para quimioterapia do cancro de ovário avançado. Usados ​​em conjunto, conseguem maior eficácia e maior sobrevida aos pacientes. Contudo, a resistência combinada a ambos os agentes pode ocorrer, e é mais difícil de vencer do que resistência a um único agente. Lanner e seus colegas começaram a investigar se o desenvolvimento de resistência a ambos os agentes invoca diferentes mecanismos, ou se é uma combinação dos mecanismos de resistência que surgem após exposição a agentes únicos. Para fazer isso, desenvolveram um conjunto de linhagens celulares isogénicas  de cancro do ovário resistentes ao (1) agente carboplatina, (2) ao docetaxel, ou (3) uma combinação de carboplatina e docetaxel. Eles analisaram as alterações na expressão de genes associados com a resistência à droga especificado em cada linhagem celular, utilizando análise de microarray.
A equipe comparou as três linhagens de células resistentes para identificar alterações comuns e diferentes na expressão de genes entre todos os três tratamentos. A análise demonstrou que o estabelecimento de resistência a carboplatina e docetaxel não compartilham muitas mudanças na expressão genética. Mais significativamente, a resistência dual-agente pareceu se desenvolver a partir de mudanças principalmente únicas na expressão do gene, diferente da carboplatina única e resistência docetaxel no conjunto das linhas isogênicas de células estudadas.
O autor principal Carita Lanner comentou, "Estes resultados demonstram que a resistência combinada de droga não é apenas um conjunto de alterações presentes em células resistentes ao agente único mas contém várias e novas mudanças. A resistência à linha dupla de docetaxel com carboplatina  vai facilitar investigações em mecanismos subjacentes ao desenvolvimento da resistência dupla de droga em câncer de ovário."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADA PELO SEU COMENTÁRIO, MUITO BOM TER VOCÊ POR AQUI! AJUDE-NOS NA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DE COMBATE AO CA DE OVÁRIO, DIVULGANDO E COMPARTILHANDO AS NOSSAS POSTAGENS!

CÂNCER DE OVÁRIO - NOSSA VOZ GANHANDO FORÇAS

Há 5 anos atrás muito pouco se ouvia falar sobre câncer de ovário! Muitas mulheres diagnosticadas com ca de ovário  sofriam caladas e isol...